Como o estresse crônico está prejudicando nosso DNA

Elissa Epel, pesquisadora da Universidadeda Califônia, em São Francisco (EUA) estuda como a personalidade, os processos de estresse e ambiente afetam nosso DNA – e como podemos reduzir os efeitos prejudiciais.

Problemas com dinheiro, carga pesada de trabalho – tais pressões cada vez mais comuns têm ajudado a tornar o estresse parte da vida moderna americana. De acordo com o levantamento, 42% dos adultos nos Estados Unidos. dizem que o seu nível de estresse aumentou nos últimos cinco anos. Mesmo os adolescentes relataram níveis de estresse com padrões semelhantes ao dos adultos.

Pesquisas recentes sugerem que danos causados por estresse crônico começam antes mesmo da concepção, gerando cortes em nossas próprias células. Uma série de estudos ligaram o estresse com telômeros mais curtos, um componente cromossomo que tem sido associado com o envelhecimento celular e risco de doenças cardíacas, diabetes e câncer. Confira.