O Instituto

Instituto Zero a Seis – Primeira Infância e Cultura de Paz. É uma OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) apartidária, humanitária e sem fins lucrativos, formado por estudiosos, cientistas, pesquisadores e formadores de opinião que acreditam na construção de uma sociedade melhor por meio da atenção e cuidado com a primeira infância.

Os projetos do Zero a Seis (ZAS) estão focados fortemente na comunicação, com o intuito de promover mobilização social e mudança cultural, de paradigmas e de valores, rumo aos fundamentos da cultura da paz preconizada pela ONU e suas agências.

Além de atuar junto a todas as esferas do governo brasileiro (federal, estadual e municipal) e trabalhar em redes nacionais e internacionais, em sintonia com inúmeras entidades não governamentais, o ZAS tem colaborado para que empresas e empresários promovam iniciativas e negócios que amparem a primeira infância no Brasil.

Criado em 2006, com sede na cidade de São Paulo, o ZAS organiza, ainda, ações voltadas diretamente ao público em geral, apresentando informações relevantes sobre educação e cuidados com as crianças – da concepção até seis anos de idade – ressaltando o aprendizado social e emocional precoce como um dos principais fundamentos da construção de uma sociedade mais saudável, pacífica e cooperativa.

Posicionar a primeira infância como prioridade nacional, assegurando, na prática, o que está determinado no Artigo 227 da Constituição Brasileira é o desafio fundamental do Zero a Seis.

 

MISSÃO
Sensibilizar, conscientizar e mobilizar a sociedade sobre a importância do desenvolvimento do indivíduo na primeira infância, na promoção da cultura de paz e na construção da cidadania.

VISÃO
O atendimento universal dos direitos de todas as crianças brasileiras de 0 a 6 anos de idade, essenciais ao seu pleno desenvolvimento.

VALORES
Ética e Transparência, Justiça Social, Responsabilidade pela primeira infância, Interdependência, Pragmatismo, Conhecimento, Ousadia e Criatividade .

 

COMPROMISSOS
• Agir em conformidade com a Constituição Federal Brasileira, com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), com a Declaração dos Direitos da Criança (Genebra de 1924) e com a Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas;

• Agir sempre considerando que a criança, em decorrência de sua imaturidade física e mental, precisa de proteção e cuidados específicos, incluindo proteção legal apropriada antes e depois do nascimento;

• Agir sempre de modo que as crianças sejam criadas em um ambiente afetivo fundamentado na compreensão, na tolerância, na paz e no respeito à sua diversidade, capacitando-a a desenvolver todas as suas melhores aptidões em condições iniciais de igualdade de oportunidades.