Primeira Infância

A primeira infância corresponde ao período que vai desde a concepção do bebê, sua gestação, até os seis anos de idade da criança.

É nessa etapa da vida que os alicerces das competências e habilidades emocionais e cognitivas futuras do adulto são estabelecidas. E isso acontece especialmente entre o nascimento até três anos de idade, quando áreas fundamentais do cérebro são desenvolvidas – áreas associadas às emoções, aos contatos interpessoais, aos padrões de funcionamento, ao caráter, à personalidade e à aprendizagem. É nesse período que a criança aprende com mais intensidade a aprender, a fazer, a se relacionar e a ser, além de desenvolver importantes valores a partir de suas relações na família, na escola e na comunidade.

Os efeitos da qualidade dos primeiros cuidados interferem diretamente nos processos perceptivos e no desenvolvimento integral, garantindo, por exemplo, as habilidades de leitura e de compreensão. Propostas e programas voltados para a promoção do desenvolvimento integral das crianças têm impacto na saúde, na qualidade de vida e nas perspectivas futuras delas, tanto na dimensão do indivíduo quanto do coletivo, resultando em processos sociais associados à cultura da paz e de formas não violentas de resolução de conflitos.

A idéia de que a primeira infância é um período decisivo na formação da personalidade, do caráter e do modo de agir do adolescente e do adulto encontra sustentação em dados recolhidos nos últimos 100 anos de pesquisas científicas. Achados recentes da Neurociência oferecem ainda evidências de que acontecimentos precoces de natureza física, emocional, social e cultural permanecem inscritos nas pessoas por toda vida.

Todos nós construímos um mapa da realidade a partir das experiências vividas na infância. Assim, é possível, e muito mais eficiente, lançar os valores e fundamentos éticos da cidadania e da cultura de paz nessa primeira fase da vida, uma vez que a criança é dotada de capacidade absorvente, isto é, ela é aquela que tudo recebe, julga com imaturidade, pouco recusa ou reage. Absorve e estrutura a personalidade do futuro adulto. É a criança que constrói seu conteúdo mental a partir do alimento social e assim acumula experiências que serão utilizadas para a construção de sua vida. É preciso, portanto, oferecer à criança atenção, bons modelos de identificação, ambiente familiar saudável e estável e constância de vínculos dentro de estruturas sociais confiáveis, que estimulem seu desenvolvimento e o aprendizado de valores relacionados à cultura de paz.

É indispensável investir na primeira infância

Investir no cuidado e na educação da criança, garantindo seu pleno desenvolvimento na primeira infância, é base de todas as demais competências para uma vida digna como um futuro cidadão, consciente de seus direitos e deveres e a melhor e mais eficaz forma de fomentar a saúde social.

Segundo James J. Heckman, da Universidade de Chicago, Prêmio Nobel de Economia no ano de 2000, investir na primeira infância é o caminho mais lógico para reduzir déficits e fortalecer a economia, além de ser uma efetiva estratégia para reduzir custos sociais e promover o crescimento econômico.

De acordo com Heckman “um momento crítico para moldar a produtividade é desde o nascimento até os 5 anos de idade, quando o cérebro rapidamente constrói a fundação do caráter cognitivo e habilidades necessárias para o sucesso na escola, saúde, carreira e vida. A educação infantil estimula habilidades cognitivas, juntamente com atenção, motivação, autocontrole e sociabilidade, isto é, o caráter do indivíduo que transforma o conhecimento em know-how e as pessoas em cidadãos produtivos”.